segunda-feira

Sobre o Sínodo


O mais interessante da Assembleia Extraordinária do Sínodo dos Bispos, que ontem terminou em Roma, não foram as conclusões que saíram de lá. Como se esperava, o texto final é contido e prudente. Até porque ainda há trabalho pela frente. Daqui a um ano, realiza-se a Assembleia Ordinária e o trabalho agora feito vai ser retomado, com a vantagem de 12 meses de amadurecimento e sistematização.
O mais interessante foram as inovações metodológicas. Todos nós ficámos a saber quais foram os temas que geraram discórdia e como foram votados. Por decisão de Francisco, a discussão foi transparente. Foi possível saber como foram sendo votadas cada uma das propostas à reflexão sinodal. E foi muito interessante ver que os parágrafos “chumbados”, só o foram porque as regras exigem uma maioria qualificada de dois terços. Se fosse por maioria simples, teriam passado.
O documento final deixa na mesma os temas que maior expectativa geravam: a atenção aos divorciados recasados e aos casais do mesmo sexo. Mas nada fica na mesma. O que o Sínodo mostrou foi a inevitabilidade da mudança.

Os novos “desenhos familiares” não precisam da aprovação da Igreja. Eles já existem e constituem os caminhos e opções de muitos cristãos e não cristãos. A questão está em saber se a Igreja opta por se demitir e ausentar dessa vida já vivida. Ou se percebe que a fidelidade a si própria lhe exige estar lá. A transparência exigida por Francisco deixa entrever sinais de esperança. Veremos.

1 comentário:

  1. Que estranho este texto, principalmente porque o seu autor é padre, o sr. é padre e escreve desta forma sobre o Sínodo dos Bispos em Roma. De certo que o seu Bispo ou até mesmo o Conselho Episcopal não têm conhecimento daquilo que escreve. É por estas (também) razões que a nossa Igreja está a chegar a este ponto. No final, só Deus nos julgará.

    ResponderEliminar