domingo

Um muro cai e outros se levantam



Celebra-se hoje o 25º aniversário da queda do muro de Berlim. Não tendo sido nem o princípio, nem o fim, do complexo processo de reorganização geo-político pós-guerra fria, aquele muro a caír aos pedaços foi o símbolo mais visível do fim de uma era.
Durante mais de 28 anos, de 1961 até 1989, Berlim ocidental foi um enclave cercado, em território de influência soviética. O muro dividiu a cidade, dividiu a Alemanha e dividiu o mundo. Duas cosmovisões políticas, dois sistemas económicos, dois blocos opostos. E um muro.
A União Soviética desmembrou-se, a guerra deixou de se chamar fria, nasceram ou renasceram novas fronteiras e o mundo, no seu conjunto, passou por uma reorganização difícil de imaginar no momento em que os primeiros berlinenses bateram palmas no cimo daquele muro.
Quem esperava resultados simples, de vencedores e vencidos, depressa se deu conta que não ia ser bem assim. E, ao celebrar este 25º aniversário, aí temos o senhor Putín e o caso ucraniano a lembrar que onde cai um muro de pedra, outros se levantam.
Os muros de betão e arame farpado não desapareceram. Aliás, proliferaram. Existem, neste momento, cerca de 50 muros da vergonha, espalhados por todo o mundo. A maior parte deles construídos no contexto de políticas de imigração: fronteiras entre países ricos e países pobres são sempre bom alicerce para um muro que mantenha os esfomeados do lado de fora.
Nos Estados Unidos, na fonteira com o México, há 3200km de “muro”, feito de painéis de metal com mais de 4 metros de altura, sensores infra-vermelhos, torres de vigia, câmaras e radares. Desde 1991, já morreram mais de 5600 pessoas a tentar atravessar.
Em Ceuta e Melilla, cidades espanholas no norte de África, dois muros de 8 e 12 km, respectivamente, mantêm a sul os milhares de africanos que continuam a sonhar com uma entrada na Europa. Vedações de arame farpado, sensores de ruído e movimento, câmaras e torres de vigia custaram 30 milhões de euros, financiados pela União Europeia.
No Médio Oriente, Israel continua a construír o que chama “barreira de Segurança”: um muro de cimento armado e aço, com vedações electrificadas e valas de protecção. Os palestinianos, que se vêem progressivamente cercados, dão-lhe outro nome: “ muro do apartheid”. Se for concluído (faltam 30%), terá 810 km. E será – já é! – uma excelente razão para continuar o conflito…

Há outros, muitos outros, muros de betão, arame, aço e o que mais se invente. Mas o pior de um muro, não é o muro. É a desigualdade, a injustiça e o medo. E contra isso, não há muro que resolva.
Publicado no Jornal de Mora

Sem comentários:

Enviar um comentário